FacebookPixel
Notícias
O que precisa de saber sobre o mercado imobiliário
Notícias
voltar \ 5 tendências de decoração que surgiram em plena crise do coronavírus

5 tendências de decoração que surgiram em plena crise do coronavírus

17 mai 2020
5 tendências de decoração que surgiram em plena crise do coronavírus
A decoração é, sobretudo agora, uma boa fórmula para melhorar não só a aparência da nossa casa, como também o nosso humor.

As mudanças de estação e a chegada do bom tempo são um dos melhores momentos para modificar a decoração das casas. Cores vivas, texturas leves e as flores são uma constante nas épocas mais quentes. E este ano, em especial, as mudanças são descritas como essenciais. No meio da crise sanitária, provocada pelo novo coronavírus, a decoração é uma boa fórmula para para melhorar o nosso humor, melhorar a aparência da nossa casa, para que também estejamos o mais entretidos posssível.
 

Nesse cenário, os especialistas da empresa Instituto de Valoraciones analisaram as tendências da primavera/verão de 2020 e resumiram num estudo algumas ideias de decoração para dar um novo ar à nossa casa:
 

1. Funcionalidade impõe-se ao estilo


Esta é uma máxima que ganhou mais relevância durante o confinamento. Depois de quase dois meses em estado de emergência, muitas famílias perceberam que a sua casa não é tão funcional quanto pensavam. Portanto, a utilidade deve sempre prevalecer sobre o estilo.
 

E essa tendência não se restringe apenas às casas pequenas, mas também deve ser aplicada em casas mais espaçosas, onde a tendência decorativa deve ser direcionada para a simplicidade e aspeto funcional dos móveis.
 

2. Cores neutras e formas modulares


Por exemplo, para mobilar uma casa destinada ao arrendamento ou que esteja à venda, é importante que o seu estilo seja atual e capaz de cativar as possíveis partes interessadas.
 

Por esse motivo, explica o estudo, "deve tentar-se mobilar a casa com móveis simples, de estilo neutro e, se possível, modulares. Assim, podem ser adaptados e personalizados periodicamente. Para isso, é melhor usar móveis multifuncionais que ofereçam versatilidade e flexibilidade e limitar a decoração ao mínimo, permitindo que o inquilino ou comprador a personalize de acordo com seu próprio estilo e necessidades ".
 

3. Papéis de parede já não são tendência


O papel de parede começou a ficar para segundo plano. Hoje em dia é cada vez mais comum um toque original ou industrial nas construções.
 

Nesse sentido, a empresa afirma que "paredes de pedra, tijolo ou madeira dão aos espaços um toque de modernidade que os torna únicos. Outros materiais de construção, como o metal, também estão a ser usados ​​como peças de mobiliário para separar ambientes. Também são interessantes os elementos decorativos em cores metálicas como ouro, prata ou rosa. A mistura de diferentes materiais em pavimentos, paredes, móveis e detalhes também é interessante como, por exemplo, cozinhas com pavimento de betão e cores escuras quase pretas nas paredes ".
 

4. Ecologia chegou ao interiorismo


As construções estão a tornar-se mais sustentáveis ​​e, da mesma forma, um estilo de vida ecológico e sustentável está a ser imposto dentro das casas. A variedade de tecidos orgânicos está a aumentar e até há móveis feitos de fibras vegetais.
 

Do mesmo modo, a tendência de recuperar, reciclar e reutilizar móveis está a espalhar-se. O compromisso com a reciclagem também está atingir as paredes, que estão a ser atualizadas "revelando a imperfeição da pincelada", esclarece o estudo.
 

5. Domótica: ordem e discrição


A empresa garante que "graças aos assistentes de voz e móveis inteligentes, as casas são cada vez mais 'inteligentes' e incluem vários dispositivos que podem ser vistos ou não, pois em muitos casos passam despercebidos como parte da decoração”.
 

Na sua opinião, a tecnologia não está apenas a revolucionar a maneira como vivemos, mas também a maneira como decoramos as casas. “Já vemos lareiras elétricas, móveis que incluem tomadas para carregar dispositivos, carregadores sem fio, lâmpadas inteligentes que podem ser controladas a partir do telemóvel ou com comandos de voz e muito mais”.


Fonte: Idealista, 15 maio 2020, 4:24

Veja Também